Uma travessia...por vezes fácil, outras vezes difícil. Um deserto, onde se tenta desesperadamente encontrar um oásis para ai permanecer, pelo menos na triste ilusão de ser feliz.

novembro 09, 2004

Reciclagem

"Tu pertences a um tipo de mulheres que só vivem a plenitude do amor na distância ou na impossibilidade. És aquilo a que eu chamo "mulher impossivel", porque amas com todas as tuas forças os homens que por uma razão ou outra não podes ter. Para ti, o amor, é a própria luta pelo amor. Não é uma construção nem uma edificação"
Margarida Rebelo Pinto

Bem...nunca pensei transcrever este excerto para aqui...porque sinceramente, nao aprecio muito a escritora em questão...mas há algum tempo atrás, uma amiguinha caracterizou-me assim.
Na altura eu encaixei. Ficava-me bem a moldura, mas de há uns tempos para cá, troquei de fotografia. Meti no lixo, aquilo que eu pensava que podia ser.
Estou à espera que me apanhem e me moldem, realmente, como eu quero ser.
Que me apanhem antes de fugir. Fico à espera. Mas acho que já me apanhaste. Agora aguenta-me!

1 comentário:

Claudia Raposo Correia disse...

Nem sempre somos o que pensamos ser, a nossa dúvida é sempre maior do a de qualquer outro. No entanto, constatarmos que mudámos é bom, e é melhor ainda conseguirmos ganhar com a mudança, nem que esse ganho se traduza numa mera recompensa individual, o sentimento, a ideia de que "Fiquei melhor, sou melhor". Todos precisamos de momentos de mudança.
Quanto a Margarida Rebelo Pinto, uma coisa é não apreciar o que a senhora escreve, mas nem tudo o que se escreve é inútil, nem tudo é dispensável e desenquadrado de alguma coisa.