Uma travessia...por vezes fácil, outras vezes difícil. Um deserto, onde se tenta desesperadamente encontrar um oásis para ai permanecer, pelo menos na triste ilusão de ser feliz.

março 12, 2005

Ontem questionei-me sobre o casamento...
...a vida em conjunto...
...os dois individuos, unidos por um contrato...
...todo o aparato que rodeia sempre um casamento...

Ainda não percebi, o que leva duas pessoas a quererem viver o resto da vida juntas.
Isto, claro está, quando se ainda tem o casamento como uma instituição para a eternidade.
Quando se aceita esse passo, quem nos dirá que não nos poderemos apaixonar por outrém, ou que não seremos respeitados, podendo levar, como se diz no bom português, "um bom par de chifres".
O meu grau de confiança nas pessoas em geral está tão abalado, que aceitar o casamento ainda como algo realmente importante no seu sentido "espiritual"...(será?)...é coisa que eu não me arrisco a tentar compreender.
Não tenho compromissos com ninguém, nunca assinei papel que me comprometesse a ter que levar a minha vida dividida para alguém; mas quando o nosso pequenino coração se aperta por causa de outra pessoa, fico a pensar e a sentir que viver com outro não é assim tão surreal.

Mas o medo da desilusão, o egoismo do desgosto, leva a ter medo de relações.

3 comentários:

CBKCaesar disse...

"Mas o medo da desilusão, o egoismo do desgosto, leva a ter medo de relações."

Este é o resultado dos "happy ends" de Hollywood! A vida é plena de momentos altos e baixos... assim é também o amor! A diferença é que qdo se encontra aquela pessoa com quem queremos acordar ao lado todos os dias da nossa vida, esses pontos baixos conseguem ser superados spre com uma atitude de humildade e nunca de orgulho estúpido. É essa a natureza do verdadeiro AMOR! Quando pusermos essa pessoa SPRE à frente até mesmo daquilo que pretendemos para nós! O casamento tem lógica (papéis e cerimónias espanpanantes à parte que eu tb não vejo com bons olhos) para quem o encara no real sentido da palavra e do acto! Eu continuo a acreditar neste tão nobre sentimento!
beijo grande!
César

Claudia Raposo Correia disse...

Para mim, o maior problema de um casamento pode nem ser a infidelidade, mas talvez a infelicidade, a agressão, a incompreensão. Para mim, estes sim, são os grandes problemas de um casamento.
Como tu, até hoje, nunca consegui perceber o que leva duas pessoas a ficarem juntas, por um simples motivo, não é por ter medo de relações, é simplesmente porque a felicidade não dura para sempre, e falta de felicidade não é sinónimo de infelicidade. Pode-se estar bem sem se ser feliz, basta não se ser infeliz. É à primeira vista contraditório, mas pensa no quotidiano, nos dias rotineiros, nos dias que passamos a estudar para um exame: não estamos felizes mas também não estamos infelizes.
Num momento a dois, ou em vários momentos a dois, a felicidade é crucial, mais importante do que partilhar as tristezas é partilhar as alegrias. Das minhas tristezas nunca soube, sempre fui uma pessoa feliz.

David Ponte disse...

o amor não se pode amarrar, deve-se manter solto, só assim se aprecia a verdadeira paixão.