Uma travessia...por vezes fácil, outras vezes difícil. Um deserto, onde se tenta desesperadamente encontrar um oásis para ai permanecer, pelo menos na triste ilusão de ser feliz.

dezembro 18, 2007

5 anos... Dói que se farta!

Conheço-te desde que nasci. Partilhei contigo momentos da minha curta vida que hoje guardo para recordar com o sabor do amor e de carinho que se tem por quem se quer bem.
Em mais um dia triste que te recordo de te ver pela última vez, naquela cama, naquele quarto, sei que sinto a tua falta e que a vida mudou sem eu mudar.
Olho-me ao espelho e vejo o teu reflexo. Acordo a sonhar contigo.
Pegas-me ao colo como tantas vezes fizeste e resmungas como eu tanto não gostei.
Tenho saudades de chegar a casa e de te dizer "olá". Partilhar histórias de outros dias e esconder-te o momento que era só meu.
Recuso-me a passar por aquela porta e não te ver naquela mesa. Sei o teu nome porque faz parte do meu e choro a falta que me fazes.
Gostava de ter mais tempo contigo e viver mais do que eu sou. Porque sou o que sou porque tu me fizeste assim e o que gosto, aprendi contigo.
Lembraste de tantas vezes me sentares ao calo e comeres comigo?
De jogarmos às cartas até nos mandarem para a cama...
De me pedires coisas que só eu te ia dar... às escondidas na cozinha a procurar os teus pedidos de última hora com os quais todos se zangavam contigo.
Lembro-me de me dares a mão e irmos ver o comboio chegar.
De te desarrumar a secretária e de ralhares comigo.
Lembro-me do último beijo que te dei e da nossa despedida.
Das lágrimas que me escorrem quando soube que tinhas partido.
Do telefone. Da dor de mexer na roupa. De te saber num sítio longe e tão presente em mim.
De já não recordar a tua voz porque não a ouvi mais.
Saber a sonoridade. Querer-te ouvir mais do que em sonhos. De te abraçar e dizer que sinto muito a tua falta, Meu Avô.

1 comentário:

adam brown disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.